sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

O papel do missionário além–fronteiras diante do desafio da inculturação

Vivemos em comunidade e somos parte de uma população. Acreditar na possibilidade de inculturar-se é um dos primeiros passos a serem dados para que vivamos bem e harmoniosamente com os outros, agregando-nos seus costumes, tradições e tudo que abarca os aspectos da cultura propriamente dita. Inculturar-se é basear-se no respeito pelas manifestações culturais, hábitos de vida e alimentação que para um estrangeiro em terras estranhas é muita vezes desconhecida.

Cabe aqui levantarmos um questionamento; até que ponto a minha cultura pode interferir no modo de viver de um determinado povo? A problemática levantada requer uma atitude de olhar e  escuta atenta aos princípios norteadores dos que saem de sua terra e vão ao encontro de outros povos.

Sem deixar de lado o processo formativo na abordagem missionária, podemos ainda levantar outra interrogativa; como conviver com outras realidades sem perder de vista a nossa essência cultural e religiosa?

O convite para o caminhar missionário vem de Jesus, a imagem de Deus que convoca e envia em missão. A vocação e a missão são antes de tudo pressupostos para uma resposta definitiva quando se trata da escolha pelo Reino.

As prioridades e desafios de um missionário que abraça a missão passam pelo reconhecimento do seu próprio chamado ao testemunho vivo e eficaz da presença de um Cristo que veio para estar no meio do povo sofredor e dos que desconhecem seu plano de salvação, independentemente de sua cultura.

O testemunho e a doação total de um missionário devem perpassar qualquer desafio e cultura, ele deve estar aberto para o novo e sem medo dedicar-se e ‘’lançar-se para as águas mais profundas’’, dando de fato um verdadeiro sentido à vida mediante o convite que recebeu do próprio Cristo. Do mesmo modo como abraçamos nossa vocação à vida, devemos assumir nosso papel de cristãos e missionários construtores de um Reino de justiça e igualdade social, tendo em nossos corações os mesmos sentimentos de Cristo.

Enfim, é na autenticidade de nossa resposta ao chamado D’ele que seremos mais corresponsáveis para com nossas obrigações missionárias formando e animando assim a Igreja de Cristo, ‘’ o povo de Deus’’, que conta com a presença e participação ativa de todos. Peçamos ao Senhor da Messe que o nosso testemunho de vida possa dizer mais do que nossas palavras e que com nossa maneira de viver estejamos verdadeiramente anunciando Jesus Cristo, ‘’ Caminho, verdade e vida’’.

Sejamos missionários dispostos e fiéis ao projeto  ‘’ mandato’’ de Cristo.

Jhonatan dos Santos Ferreira (Graduando em filosofia presbiteral)
Pré-noviço da Congregação do Imaculado coração de Maria- CICM
Revisão: Alef César

Nenhum comentário: