sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

ÁFRICA/QUÊNIA - Milhares de vítimas das enchentes estão precisando urgentemente de alimento, mosquiteiros, tendas e medicamentos



As fortes chuvas que estão se abatendo sobre o Quênia carregaram pontes e interromperam muitas estradas, tornando mais difícil o resgate de milhares de pessoas desabrigadas pelas enchentes. Segundo a Cruz Vermelha do Quênia (KRCS), desde outubro morreram pelo menos, uma dezena de pessoas e 40 mil foram vítimas de desastres naturais. Nos últimos dias, por causa de um deslizamento de terra em Keiyo, no Rift Valley, outras pessoas morreram e outras ainda em Nyanza, no Quênia ocidental e na região costeira. Em Garbatula, distrito de Isiolo, centenas de agricultores perderam as lavouras. Em outras partes do país existe o perigo de epidemias de doenças causadas por água contaminada pela explosão de latrinas e poços, e outras áreas pela ruptura de dutos.

Segundo a Comissão Nacional para os Direitos Humanos do Quênia (KNCHR), que controla a zona setentrional do país, as inundações atingiram toda a região de Isiolo, com a ruptura das digas do rio Ewaso Nyiro. Garfarsa, Kombola, Sericho, Merti e Garbatula são algumas das áreas mais gravemente atingidas. Os desabrigados e as pessoas em graves dificuldades necessitam urgentemente de ajudas alimentares, tendas, cobertores, utensílios de cozinha e remédios.

Poucos dias atrás, também o rio Nzoia rompeu as digas, fazendo evacuar milhares de pessoas das áreas de Budalang'i, Bunyala e Funyula, no Quênia ocidental. Outras milhares de vítimas foram registradas nas áreas de Nyando e Nyatike, Nyanza e na Província costeira onde, no mês de outubro, as enchentes causaram graves prejuízos à população, destruíram escolas e sistemas de depuração.

No mês de novembro, o Global Disaster Alert junto ao Coordination System lançou um alarme diante das enchentes no Quênia, depois que mais de 300 famílias foram desalojadas e o gado arrastado pelas inundações em Wajir, no sul do Quênia.

FONTE: Agência Fides - 07/12/2011

Nenhum comentário: