sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Campanha Missionária 2010


Tema: Missão e Partilha
Lema: "Ouvi o Clamor do Meu Povo" (Ex 3,7b)
Dia Mundial das Missões – 23 e 24 de outubro

A Campanha Missionária é promovida em todo o mundo pelas Pontifícias Obras Missionárias (POM), todo ano em outubro, Mês das Missões, culminando no Dia Mundial das Missões (penúltimo domingo daquele mês). Neste dia, todo católico é motivado a dar sua oferta material para as Missões. A responsabilidade pelas Missões é de todos os batizados: "Anunciar o Evangelho não é para mim título de glória, é obrigação que me foi imposta. Ai de mim, se eu não evangelizar" (1Cor 9,16). A esta oferta está associada a formação e vivência missionárias, por meio de orações e sacrifícios oferecidos pelas Missões, como também com a entrega pessoal como missionário, por determinado período ou "ad vitam" (por toda a vida).

As necessidades da Igreja Católica em todo o mundo não param de crescer: constituição de novas dioceses; abertura de novos seminários, devido ao crescimento do número de jovens que acolhem o chamado de Cristo a segui-Lo como sacerdotes; regiões destruídas por guerras ou fenômenos naturais, que devem ser reconstruídas; regiões por longo tempo fechadas à evangelização, e que agora se abrem a ouvir a mensagem de Cristo e da Sua Igreja. É por isto que a cooperação dos católicos de todo o mundo é tão urgente e necessária.

Cerca de 1.100 dioceses de territórios de Missão (todo o Continente Africano e o Asiático, bem como a Oceania, parte da América Latina e alguns países da Europa Oriental) recebem regularmente ajuda financeira anual proveniente das doações dos fiéis. Estas dioceses apresentam à Congregação para a Evangelização dos Povos (Santa Sé) pedidos de ajuda, entre outras necessidades, para catequese, evangelização, seminários, trabalhos das comunidades religiosas, meios de comunicação e transporte, construção de capelas, igrejas, creches, orfanatos, escolas, asilos, ambulatórios médicos, etc. Estas necessidades são providas com as doações arrecadadas todo ano.


No Brasil
Anualmente as Pontifícias Obras Missionárias enviam a todas as dioceses do Brasil, para animar o Mês das Missões, vários subsídios: a Mensagem anual do Papa; santinhos com a Oração Missionária anual, folhetos informativos e com orações dos fiéis para as Missas dominicais do mês, cartaz de divulgação; livreto com Celebrações ou Novena, e o envelope para a doação pessoal na coleta do Dia Mundial das Missões. Além disto, para a animação missionária em geral, são realizadas visitas a seminários, participações de encontros de formação, congressos missionários e animação pelo Diretor Nacional e Secretários Nacionais de cada uma das obras missionárias pontifícias, a saber: Propagação da Fé, Infância e Adolescência Missionária, São Pedro Apóstolo e União Missionária.


Coleta
A Coleta feita no Brasil, todo ano, no Dia Mundial das Missões, é destinada ao Fundo Mundial de Solidariedade Missionária, sediado em Roma (Congregação para a Evangelização dos Povos). Com estes recursos são financiados projetos fundamentais para a Igreja em todo o mundo. Parte destes recursos são também destinados a projetos no Brasil. Em 2009, por exemplo, o Papa doou 2,750 milhões de reais para projetos nos nove Estados da Amazônia Legal (Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins, e parte do Estado do Maranhão). Esta quantia foi enviada às dioceses do saldo credor que a Obra da Propagação da Fé tem junto às POM. Ao todo foram beneficiadas 55 dioceses dessa imensa região do Brasil.

Nos últimos anos, graças ao crescimento da coleta e generosidade do nosso povo, os recursos financeiros do Dia Mundial das Missões celebrado no Brasil têm ajudado projetos para outros países, dentre os quais, Índia, Ruanda, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, Guiné-Equatorial, República Democrática do Congo, Malavi, Etiópia, Indonésia, Timor Leste, Filipinas e Equador: sinal e gesto concreto de nossa solidariedade universal.

A coleta, fruto da generosidade dos brasileiros, tem crescido cada ano, mas pode ser mais generosa: muito já recebemos, podemos agora "dar de nossa pobreza" (Puebla, 368). Para isto é necessário organizar a Campanha, e fazer chegar a todos o apelo à solidariedade universal.

O relatório da coleta é apresentado todos os anos ao Secretariado Internacional, publicado no boletim das POM (Serviço de Informação Missionáira/SIM) e disponibilizado no seu sítio na rede de computadores: www.pom.org.br. As ofertas mundiais em 2008 alcançaram a cifra de US$ 163.007.478,80. No Brasil, no último Dia Mundial das Missões (18 de outubro de 2009), foram recolhidos, em todo o país, cerca de R$ 5.500.000,00. Mas é ainda muito pouca a nossa oferta, se considerarmos o número de católicos.


Oração e anúncio
"A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos. Rogai, portanto, ao Senhor da messe que mande operários para a Sua messe." Estas palavras de Jesus em Lucas 10,1ss continuam válidas. Depois de dois mil anos, a messe continua grande e, os operários, poucos. Há o clamor insistente de milhares de pessoas que querem conhecer Jesus, mas falta quem O anuncie. A colaboração material de cada cristão para as Missões possibilita o envio cada vez maior de missionários "ad gentes". É indispensável a oração insistente e lançar-se mar adentro a anunciar: "Rogate, ergo, et duc in altum!" (cf. Lc 5,4).

Nisto consiste o objetivo maior da Campanha Missionária do mês de outubro: despertar para a Missão todos os que dormem.


Motivação e conscientização
Desde 1926, com a instituição do Dia Mundial das Missões, pelo Papa Pio XI, intensificou-se em toda a Igreja, em todas as Igrejas particulares, o apelo a renovar e direcionar o próprio ardor e vida missionária para além das próprias fronteiras, em dimensão universal. Também a 5ª Conferência do Celam, realizada em Aparecida, SP, em maio de 2007, fez um forte apelo a que toda a Igreja, todos os batizados, se tornem discípulos-missionários de Jesus Cristo.

Para motivar e conscientizar, as Pontifícias Obras Missionárias cuidam de organizar e produzir subsídios para a Campanha de animação e cooperação missionária que se realiza todos os anos em outubro. O material é enviado, já no mês de junho, a todas as dioceses do Brasil.

A Campanha Missionária no Brasil costuma retomar a Campanha da Fraternidade (CF), dando-lhe roupagem missionária. A CF 2010 teve como tema Economia e Vida, e, como lema, "Vocês não Podem Servir a Deus e ao Dinheiro" (Mt 6,24c). Em sintonia, a CM 2010 tem como tema Missão e Partilha, e, como lema, "Ouvi o Clamor do Meu Povo" (Ex 3,7b).

Tudo isso, em continuidade com o 2° Congresso Missionário Nacional, realizado em Aparecida, SP, de 1° a 4 de maio de 2008, que teve como tema Do Brasil de Batizados ao Brasil de Discípulos-Missionários Sem-Fronteiras e, lema, Igreja no Brasil: Escuta, Segue e Anuncia; bem como com o 3° Congresso Missionário Americano (CAM 3–Comla 8), realizado em Quito (Equador), de 12 a 17 de agosto de 2008, com a participação de 130 delegados de nosso país. São propostas e eventos que nos estimulam incitam a novo vigor e ardor missionário.

O Dia Mundial das Missões, momento culminante da Campanha Missionária, é a ocasião da colaboração concreta de todos os católicos do mundo inteiro para com a Missão universal.


Dia Mundial das Missões
O Dia Mundial das Missões, organizado pelas Pontifícias Obras Missionárias (POM), é o dia reservado aos católicos de todo o mundo para especial colaboração pessoal na ação missionária da Igreja, mediante contribuição financeira, oração e sacrifício.

Anualmente, o Dia Mundial das Missões é celebrado no penúltimo domingo de outubro. Nas palavras do Papa João Paulo II, "o Dia Mundial das Missões, orientado à sensibilização para a questão missionária, mas também para a coleta de fundos, constitui momento importante na vida da Igreja, porque ensina como dar a contribuição: na Celebração Eucarística, ou seja, como oferta a Deus, e para todas as Missões do mundo" (cf. Redemptoris Missio 81).

O Papa João Paulo II falou do Fundo Universal de ajuda da Obra da Propagação da Fé como um "fundo central de solidariedade". Em Mensagem preparada para o Dia Mundial das Missões, o Papa disse: "A oferta coletada será destinada ao fundo central de solidariedade a ser distribuído pela Obra da Propagação da Fé, em nome do Papa, às Missões e missionários de todo o mundo."

Os diretores nacionais das POM decidem, em votação, pela melhor utilização desses recursos, considerando as maiores necessidades. Depois os subsídios são distribuídos a projetos da Missão pelo mundo afora.


Origem do Dia Mundial das Missões
Em 1922 foi eleito Papa o Cardeal Arcebispo de Milão (Itália) Achille Ratti, que tomou o nome de Pio XI (1922-1939). Seu ardor missionário era conhecido de todos, e esperava-se dele grande impulso para a Missão. Logo em 1922, constituiu as Pontifícias Obras Missionárias, recomendando-as como instrumento principal e oficial da Cooperação Missionária de toda a Igreja. Estimulou a criação de novas Missões e ordenou os primeiros bispos indianos (1923) e chineses (1926). No Ano Santo de 1925, abriu no Vaticano uma Exposição Missionária Mundial e, no ano seguinte (1926), publicou uma Encíclica sobre as Missões, Rerum Ecclesiae, na qual reafirmava a importância dos objetivos missionários programados no início do seu pontificado.

A ideia de um Dia das Missões em esfera mundial nasceu no Círculo Missionário do Seminário Arquidiocesano de Sássari (Sardenha, Itália). De 14 a 16 de maio de 1925, o Círculo Missionário organizou um tríduo missionário, com a participação do arcebispo, que suscitou muita animação. No ano seguinte, de 17 a 20 de março de 1926, repetiu-se a celebração. Na ocasião, chegou de Roma Mons. Luigi Drago, Secretário da Sagrada Congregação de Propaganda Fide (atual Congregação para a Evangelização dos Povos, do Vaticano). Os seminaristas pediram-lhe que propusesse ao Papa Pio XI a celebração de um Dia todo dedicado às Missões, como se fazia na Universidade do Sagrado Coração. Mons. Drago prometeu que falaria com o Papa a respeito. E, de Roma, mandou dizer que o Papa havia enviado uma resposta ao pedido: "Esta é uma inspiração que vem do céu."

De fato, no final de março de 1926, realizou-se a Plenária do Conselho Superior Geral da Obra, já Pontifícia, da Propagação da Fé. Naquela ocasião, decidiu-se pedir oficialmente ao Papa Pio XI "a instituição em todo o mundo católico de um Dia de oração e de ofertas em prol da propagação da Fé". Em 14 de abril de 1926, a Congregação dos Ritos comunicava que o Santo Padre havia concedido o pedido. Seria celebrado anualmente no penúltimo domingo do mês de outubro.

Uns anos antes, Pio XI fizera um gesto surpreendente e profético: na Solenidade de Pentecostes de 1922, interrompeu sua homilia e, em meio a impressionante silêncio, tomou seu solidéu, fazendo-o passar entre a multidão de bispos, presbíteros e fiéis na Basílica de São Pedro, no Vaticano, enquanto pedia a toda a Igreja ajuda para as Missões.

O primeiro Dia Mundial das Missões foi celebrado em 1927.2 Em 19 de outubro de 1985, o Papa João Pau¬lo II lembrava a origem do Dia Mundial das Missões, falando aos fiéis da Igreja de Sássari, durante sua viagem pastoral à Sardenha.


Fundamento da Missão
A ação missionária é essencial para a comunidade cristã. Pelo Batismo, todo cristão é chamado a reunir-se em comunhão ao redor de Cristo e participar da sua Missão, com o testemunho de vida, o anúncio do Evangelho, a criação das Igrejas locais com o esforço para se inculturar, o diálogo inter-religioso, a formação das consciências para atuarem as orientações da doutrina social cristã, a proximidade aos últimos e o serviço concreto de assistência aos necessitados. A origem, o método e a finalidade da evangelização é o próprio mistério trinitário. A iniciativa de Deus antecipa, acompanha e leva a bom termo a ação missionária. Deus é o Protagonista.

Missão "ad gentes" Reconhecendo a urgência da Missão, o Papa João Paulo II declarou a atualidade da Missão "ad gentes" (de primeiro anúncio) e sinalizou profeticamente os frutos: "Vejo o alvorecer de uma nova época missionária, que se tornará dia radiante e rico de frutos, se todos os cristãos, e especialmente os missionários e as Igrejas jovens, responderem com generosidade e santidade aos apelos e desafios do nosso tempo" (RMi 92).

Os fatos confirmam a verdade de que "a fé compartilhada revigora-se": "Multiplicaram-se as Igrejas locais que possuem bispos, clero e pessoal apostólico próprios. Constata-se uma inserção mais profunda das comunidades cristãs na vida dos povos. A comunhão entre as Igrejas tem levado a um dinâmico intercâmbio de bens espirituais e de dons. A ação evangelizadora dos leigos está mudando a vida eclesial. As Igrejas particulares estão se abrindo ao encontro, ao diálogo e à colaboração com os membros de outras Igrejas cristãs e outras religiões. Sobretudo, afirma-se uma nova consciência: ou seja, de que a Missão diz respeito a todos os cristãos, a todas as dioceses e paróquias, às instituições e associações eclesiais" (RMi 2).


Cooperação missionária
O envio da Igreja "ad gentes" (além-fronteiras, para o primeiro anúncio) supõe a colaboração de todos os cristãos: "Como o Pai me enviou, também eu vos envio" (Jo 20,21). "A participação das comunidades eclesiais e de cada um dos fiéis na realização deste projeto divino chama-se cooperação missionária. Para promover esta cooperação, a Congregação para a Evangelização dos Povos serve-se especialmente das Pontifícias Obras Missionárias" (cf. Cooperatio Missionalis, n° 2).

A este respeito, disse o Papa Paulo VI, na sua Mensagem para o Dia Mundial das Missões de 1972: "A cinquenta anos da elevação a Pontifícias das Obras Missionárias, queremos testemunhar a elas o nosso muito especial afeto, nossa profunda gratidão pelos serviços prestados à Santa Sé e à Igreja inteira, e proclamá-las novamente como o principal instrumento da Santa Sé e do Episcopado no campo da cooperação missionária, porque, como disse o Concílio, 'constituem igualmente meios tanto para infundir nos católicos, desde a mais tenra idade, um espírito verdadeiramente universal e missionário, como para fomentar uma adequada coleta de subsídios em favor de todas as Missões e conforme as necessidades de cada uma' (Ad Gentes Divinitus, 38). No mais, a respeito destas Obras, a nós tão caras, já na nossa primeira mensagem para o Dia Mundial das Missões de 1963, dizíamos que 'embora não excluam outras iniciativas de ajuda para as Missões e para fins particulares, superam evidentemente todas as outras obras, enquanto direta e mais completa expressão da solicitude do Supremo Pastor do rebanho de Deus para com todas as Igrejas'".

Na Campanha Missionária, os corações dos que contribuem alargam-se na solidariedade com irmãos e irmãs de comunidades empobrecidas de regiões do nosso país e, especialmente, de outros países. Trata-se de viver, testemunhar e, sempre que possível, anunciar o amor de Jesus Cristo com ações e palavras, que ajude a libertar-se do sofrimento, da injustiça, da exploração, da opressão, à luz do Evangelho.

No Brasil, a Campanha Missionária pode ser mais generosa: muito já recebemos, podemos agora "dar de nossa pobreza" (Puebla, 368). Para isto é necessário organizar a Campanha e fazer chegar a todos o apelo à solidariedade mundial.

A Campanha Missionária é a ocasião especial para despertar a consciência de que a Missão faz parte da vida da Igreja, a qual "é, por sua natureza, missionária" (Ad Gentes, 2). O Dia Mundial das Missões é a ocasião de especial cooperação pessoal e comunitária para a ação missionária da Igreja universal. Nas palavras do Papa João Paulo II, este Dia "ensina como contribuir: como oferta feita a Deus, na Celebração Eucarística, e por todas as Missões do mundo" (cf. Redemptoris Missio 81).

Nenhum comentário: