quinta-feira, 22 de julho de 2010

22 de Julho: Aniversário de Nascimento de Paulina Jaricot, fundadora da Obra da Propagação da Fé


A Vocação Missionária de Paulina Jaricot

Ela aprendeu a lidar, desde 1819, com as necessidades presentes na Igreja e associá-la a todo o Povo de Deus: suas opiniões mostraram-se perspicazes e verdadeiramente proféticas. Não é de admirar que a Obra da Propagação da Fé, fundada em 1822, reconhece hoje toda intuição, iniciativa e método de uma jovem de Lyon. 
 
O chamado a cada um dos fiéis a serem participantes na atividade missionária da Igreja é fundada no Batismo e na Confirmação (LG 33). Essa responsabilidade é realizada em dois campos na missão ad gentes: a atividade missionária e a cooperação missionária. A atividade missionária da evangelização é realizada pelos missionários nos lugares e grupos que ainda não conhecem Cristo, e a cooperação missionária faz parte da ação evangelizadora da Igreja e, talvez, seja a mais extensa. Nós não podemos todos ser missionários no sentido exato da palavra, mas todos são chamados a ser missionários no sentido mais amplo do significado da cooperação missionária, com a nossa ajuda, espiritual ou material.

Todos somos responsáveis pela Missão Universal da Igreja. Seja como parte de uma comunidade, como Igreja local e da vocação à qual cada um é chamado. Existem passagens da vida de Paulina que nos dizem como ela viveu sua co-responsabilidade com a missão de toda a Igreja. Podemos falar sobre algumas características de sua vocação missionária: a sua capacidade de ir além dos limites, se entregando incondicionalmente à missão de Jesus Cristo. 

Como cristãos, podemos perguntar: Quais são as características que me definem como um discípulo missionário de Jesus?
A nossa vocação cristã, como também foi para Paulina, é um chamado à santidade e à missão. Assim, necessariamente, tende a ser um encontro com Cristo. Paulina disse: "Eu quero ser uma Eucaristia viva". Sua vida inteira foi fundamentada no encontro pessoal com Jesus; em seu seguimento, como configuração com Jesus, missionário do Pai. Na vida de Paulina, o seu amor e dedicação a missão foi o termômetro que certificou a autenticidade do encontro com Jesus e seu seguimento. O Documento de Aparecida também nos lembra que "discipulado e missão são duas faces da mesma moeda" (DA 146)

Quando olhamos para a vida de Paulina, outro item que se destaca é a sua disponibilidade missionária, tanto local como universal. Chamada como leiga ao encontro e seguimento de Jesus, participou de sua própria missão. Ele tinha muito claro que pertencia a uma Igreja que é missionária por natureza, e desde a sua juventude decidiu colocar-se à serviço: "Santa Igreja de Deus, nunca me arrependo jamais, não importa o que aconteça, de ter vivido somente para ti, desde minha juventude" (Paulina Jaricot). 

Também podemos encontrar na vida de Paulina Jaricot, aspectos com que o Documento Redemptoris Missio (nº 65), descreve a vocação missionária:
- Seguir o modelo dos apóstolos;
- Total compromisso com o serviço da evangelização;
- É compromisso que envolve toda a pessoa e vida do missionário;
- Desprendimento de interesses pessoais. 

Configurado com Jesus missionário, o seu serviço à missão universal da Igreja abraçou toda a sua vida: "Eu amei Jesus Cristo mais do que qualquer coisa na terra, e por seu amor, eu amei mais do que a mim mesma para aqueles que estavam no trabalho ou na dor" (Paulina Jaricot).  

Há uma sintonia entre a vocação missionária de Paulina Jaricot e a sua fidelidade ao chamado, que se concretiza em sua disponibilidade generosa e total para a missão. Sua entrega e os sofrimentos que enfrentou ao longo de sua vida, sempre com serenidade de espírito e coragem, demonstram a humildade com que ele deixou nas mãos de outros o desenvolvimento da Obra da Propagação da Fé, dizendo: "Eu era a primeira chama que acendeu o fogo" (Paulina Jaricot). 

Irmã. Mariel N. Robledo - Secretária Nacional da Propagação da Fé da Argentina
FONTE: POM - Argentina

Nenhum comentário: