segunda-feira, 28 de junho de 2010

Padre brasileiro chega ao Sudão para atuar como missionário


No dia 30 de maio, a diocese de Balsas (MA) fez o envio do padre Raimundo Nonato Rocha, missionário comboniano, para uma nova experiência missionária no Sudão, região sul da África. O mesmo chegou a Juba cidade onde vai exercer seu novo trabalho missionário dia 19 de junho.

Os missionários Combonianos estão presentes no Sul do Sudão desde há muito tempo. Foi Daniel Comboni quem primeiro iniciou a missão quando chegou a essa região da África em 1858. Já para os combonianos, a primeira missão começou em 1901. Em 1964, devido à guerra, os estrangeiros foram expulsos e depois retornaram. Os combonianos hoje têm missões em quatro dioceses e procuram evangelizar através de sua presença solidária no meio do povo, iniciação cristã de adultos, formação de pequenas comunidades, capacitação de lideranças, família e juventudes, justiça e paz e integridade da criação, promoção humana, diálogo e ecumenismo, meios de comunicação e outras situações emergentes como refugiados, secas, enchentes e conflitos étnicos.

O contexto de evangelização no Sul do Sudão é complexo e conflituoso. Envolve aspectos sociais, tribais, econômicos e interesses de estrangeiros. Durante a guerra e as campanhas eleitorais a Igreja, apesar de sua contradição, teve um papel determinante se colocando ao lado do povo e apoiando o acordo de paz.

É para esse complexo e desafiador contexto social, político, cultural e eclesial que eu me sinto chamado e enviado como missionário. A vida missionária nos coloca numa atitude de constante recomeço e aprendizado. Estou apenas no começo, porém confiante que vai dar tudo certo. Agradeço a Deus pela vocação missionária, rezo por mim e pelo povo do Sudão. Convido vocês a continuarem rezando pelo êxito da missão e para que sejamos testemunhas de Cristo, sinal de comunhão, esperança e vida para esse povo sofrido. Rezemos também pelo fim dos conflitos e pela paz duradoura no Sudão e no mundo”, destacou o padre Raimundo Rocha.

FONTE: CNBB – 28/06/2010

Nenhum comentário: