sábado, 13 de março de 2010

Nigéria: Violência é étnica não religiosa

Os violentos enfrentamentos que deixaram um balanço provisório de 500 falecidos no Estado nigeriano de Plateau são fruto da violência étnica e não religiosa.

Foi o que assegurou nessa segunda-feira o arcebispo de Abuja, Dom John Olorunfemi Onaiyekan, em uma conversa telefônica com Rádio Vaticano.

"Facilmente a imprensa internacional é levada a dizer que são os cristãos e os muçulmanos que se matam", indicou.

"Mas este não é o caso, porque não se mata por causa da religião, mas por reivindicações sociais, econômicas, tribais e culturais", explicou.

Nas últimas horas, pastores nômades de etnia fulani e religião muçulmana atacaram as localidades de Dogo Nahawa, Ratsat e Zot (próximas da capital do Estado, Jos), cujos habitantes são maioritariamente de etnia berom e religião cristã.

Segundo Dom John Olorunfemi Onaiyekan, "trata-se do antigo conflito entre pastores e agricultores, mas os fulani são todos muçulmanos e os berom são todos cristãos".

Após o massacre, vários soldados vigiam as localidades. As autoridades locais prenderam 95 pessoas.

Mas, segundo o arcebispo, o governo é "muito fraco" e parece não ter capacidade de garantir a segurança de todos os cidadãos.

Não é a primeira vez que afloram tensões deste tipo. No mês de janeiro, mais de 300 pessoas morreram em três dias de enfrentamentos entre grupos muçulmanos e cristãos em Jos.

Naquele momento, o arcebispo de Jos, Dom Ignatius Ayau Kaigama, também explicou que não se tratava de um conflito religioso.

Agora, o arcebispo de Abuja lembrou que em Jos os dois grupos se mesclam e a rivalidade para controlar as terras é mais forte que em outros lugares.

"Os fulani, pastores itinerantes de gado, são encontrados em toda Nigéria, mas não se dizem proprietários das terras - indicou. Já em Jos, por outro lado, pretendem ser".

Ademais, continuou, "parece que os pastores muçulmanos fulani sempre têm o apoio de seus irmãos do norte da Nigéria".

Um fator que não favorece a paz é a facilidade com que as armas circulam pela região, devido às guerras e à violência no país.

Nesse sentido, o arcebispo disse que "é muito fácil encontrar pessoas dispostas a combater apenas por um punhado de dólares".

Diante dessa situação, a Igreja continua trabalhando para promover as boas relações entre cristãos e muçulmanos.

"Também tentamos chegar a um acordo para tentar acabar com a violência e nos comprometermos juntos a enfrentar os problemas concretos, políticos e étnicos", explicou o prelado.

"Rezamos pela paz, pelo bom governo, pela verdade - acrescentou. E rezamos também para que as pessoas reconheçam que a única maneira de sobreviver neste país é nos reconhecermos como irmãos e cidadãos".

Fonte: Agência Zenit - 09/03/2010

Nenhum comentário: