quarta-feira, 18 de março de 2009

Bento XVI visita a África.

Bento XVI já se encontra em terras africanas. O Santo Padre deixou Roma às 10 horas da manhã desta terça-feira, hora local, e chegou a Iaundé, capital de Camarões, às 16 horas, hora local, meio-dia em Brasília. Camarões é a primeira etapa desta viagem à África, que levará o pontífice também a Angola.

Num acolhimento caloroso no aeroporto Nsimalen, Bento XVI foi recebido pelo presidente do país, Paul Biya. No discurso na cerimônia de boas-vindas, Bento XVI disse que visita a África como pastor: "Venho para confirmar os meus irmãos e as minhas irmãs na fé. Este foi o dever que Cristo confiou a Pedro na Última Ceia, e esta é a função dos sucessores de Pedro".

E como pastor, está em Iaundê para apresentar o Instrumentum laboris para a Segunda Assembléia Especial, que terá lugar em Roma no próximo mês de outubro.O papa recordou que a mensagem cristã traz sempre consigo esperança, mesmo em meio aos maiores sofrimentos, e citou como exemplo a vida de Santa Josefina Bakhita, que transformou uma situação de grande sofrimento e injustiça a partir do encontro com o Deus vivo. "Diante da dor ou da violência, da pobreza ou da fome, da corrupção ou do abuso de poder, um cristão nunca pode ficar calado" – disse o pontífice, que faz uma análise do continente:

"Aqui na África, como em tantas outras partes do mundo, continuou, inumeráveis homens e mulheres anseiam por ouvir uma palavra de esperança e conforto. Conflitos locais deixam milhares de desalojados e necessitados, de órfãos e viúvas. Num continente que no passado viu muitos de seus habitantes cruelmente raptados e levados para além-mar a fim de trabalhar como escravos, o tráfico de seres humanos, especialmente de inermes mulheres e crianças, tornou-se uma moderna forma de escravatura. Num tempo de global escassez alimentar, de confusão financeira, de modelos causadores de alterações climáticas, a África sofre demasiado: um número crescente de seus habitantes acaba prisioneiro da fome, da pobreza e da doença. Estes clamam por reconciliação, justiça e paz; e isto é precisamente o que a Igreja lhes oferece."

O que a África necessita, disse o papa, não são novas formas de opressão econômica ou política, mas a liberdade gloriosa dos filhos de Deus. Não amargas rivalidades inter-étnicas ou interreligiosas, mas a retidão, a paz e a alegria do Reino de Deus, descrito de modo muito apropriado pelo Papa Paulo VI como "civilização do amor".

Para Bento XVI, Camarões é terra de esperança para muitos na África Central. Milhares de refugiados, vindos dos países da região devastados pela guerra, encontraram acolhimento. Camarões é descrito como uma «África em miniatura», pátria de mais de duzentos grupos étnicos diferentes que vivem em harmonia uns com os outros. Tudo isto são razões para louvar e agradecer a Deus.

"Ao chegar hoje ao vosso meio, rezo pela Igreja, aqui e por toda a África, para que possa continuar a crescer na santidade, no serviço à reconciliação, à justiça e à paz. Deus abençoe Camarões! Deus abençoe a África!"

Na conclusão da cerimônia de boas-vindas, o papa deixou o aeroporto e se dirigiu para a nunciatura apostólica, onde pernoitará.

Amanhã, quarta-feira, o primeiro compromisso do Papa será a visita de cortesia ao presidente da República. O Santo Padre encontrará ainda os bispos de Camarões e presidirá, na Basílica Maria Rainha dos Apóstolos, a oração das primeiras Vésperas da solenidade de São José, com a participação dos bispos, sacerdotes, religiosos, seminaristas, diáconos, movimentos eclesiais e de representantes de outras confissões cristãs.

FONTE: Rádio Vaticana – 17/03/2009

Nenhum comentário: