segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Arquidiocese de São Paulo promove encontro missionário



Para marcar o início do Mês Missionário, representantes de congregações, ordens religiosas e institutos missionários presentes na Arquidiocese de São Paulo se reuniram na manhã deste sábado (1º), no colégio Madri Cabrini, zona sul da capital. Os participantes refletiram sobre o destaque pastoral vivido na Arquidiocese de São Paulo, a partir da Carta Pastoral de dom Odilo,“Paróquia, torna-te o que tu és”.

O encontro, realizado pela segunda vez na Arquidiocese, contou também com a presença do arcebispo de São Paulo, cardeal dom Odilo Pedro Scherer, dom Tomé Ferreira da Silva, bispo auxiliar na Região Ipiranga, e referencial para a Animação Missionária, e o Padre Sérgio Lucas, vice-coordenador de arquidiocesano de pastoral. Também participou dom Pedro Carlos Zilli, bispo brasileiro na diocese de Bafatá, em Guiné Bissau.

Na oração inicial foi recordada a memória de Santa Terezinha do Menino Jesus, celebrada neste sábado, com a entronização de uma relíquia dela, que é padroeira dos missionários.

Ao saudar os convidados, dom Odilo ressaltou que um dos objetivos do encontro é justamente reunir as diferentes expressões da Igreja missionária presente na Arquidiocese. “Que essa força missionária tão grande que temos em nossa Arquidiocese possa emergir”, disse, pedindo para que as diferentes congregações e institutos compartilhem seus carismas com a vida da Igreja de São Paulo, para que não se perca nunca o horizonte missionário.

Dom Odilo também chamou a atenção para o próximo dia 23, quando serão canonizados, em Roma, dois fundadores de institutos missionários que também estão presentes em São Paulo – dom Guido Confort, dos Missionários Xaverianos, e dom Luiz Guanella, do Instituto dom Guanella. Para marcar esta data, será celebrada uma missa em ação de graças pelas duas canonizações e pelo mês missionário, no mesmo dia, na Catedral da Sé.

Em seguida, padre Sérgio Lucas apresentou os resultados dos questionários enviados a todas as paróquias da Arquidiocese, baseados no destaque pastoral. Entre os aspectos positivos que chamaram a atenção do Secretariado Arquidiocesano de Pastoral sobre o questionário foi a tentativa das comunidades de utilizarem, da melhor maneira possível, as novas tecnologias de comunicação para um benefício de sua missão.

Padre Sérgio também apontou uma presença muito grande pessoas idosas, o que pode ser avaliado positivamente, uma vez que isto sinaliza que muitas pessoas se mantêm firmes na caminhada eclesial. Mas, por outro lado, preocupa, pois mostra que ainda é preciso intensificar o trabalho junto a outras faixas etárias, sobretudo entre os jovens.

Logo depois, padre Ricardo Antonio Pinto, pároco da Paróquia Nossa Senhora Aparecida, na Região Ipiranga, ajudou a apontar ações práticas que correspondam à realidade apresentada pelo questionário a partir do caminho indicado pela Carta Pastoral, com a vivência das três principais missões de uma paróquia – anúncio, santificação e caridade pastoral – numa perspectiva missionária.

Entre os princípios fundamentais para avaliação, reflexão e planejamento do processo de renovação da paróquia, padre Ricardo destacou a “conversão pessoa, pastoral e missionária; a renovação das estruturas paroquiais como ‘comunidade de comunidades’; e a concretização de uma nova ‘cultura pastoral’ com eixo missionário em vista da missão continental”.


Em um segundo momento do encontro, em grupos, os participantes debateram sobre como implementar “Equipes Paroquiais de Animação Missionária” e o que fazer para fortalecer a Infância, Adolescência e Juventude Missionária, considerando a preparação da Jornada Mundial da Juventude no Brasil em 2013.

Reunidos em plenária, os missionários partilharam algumas das reflexões em grupos. Eles destacaram que o primeiro passo para implementar equipes missionárias nas paróquias é conscientizar as pessoas sobre a existência das inúmeras iniciativas missionárias na Igreja. Outro ponto muito reforçado foi a necessidade de tornar a catequese mais missionária.

Na conclusão do encontro, dom Tomé ressaltou que os resultados dos questionários mostram que São Paulo é uma “terra de missão”. “Não basta compreender a necessidade da missão. Não Basta compreender as razões da missão. Mas é preciso agir missionariamente”, destacou.

Para a irmã Ana Elidia Neves, missionária Serva do Espírito Santo, poder reunir as pessoas que já estão envolvidas dentro da missão missionária é muito importante. “Todas as pessoas presentes aqui estão a frente de muitas iniciativas missionárias. Por isso é importante tornar tudo isso conhecido. Isso nos fortalece”.

O encontro também estimulou a divulgação da Campanha Missionária 2011, promovida pelas Pontifícias Obras Missionárias (POM), cujo tema é “Missão na Ecologia”, diretamente ligado ao tema da Campanha da Fraternidade (CF) deste ano, que falou sobre “Fraternidade e a Vida no Planeta”.

Fotos: Luciney Martins
FONTE: http://arquidiocesedesaopaulo.org.br

Nenhum comentário: